Segue a Escrevo

Prólogo • 
História de uma Escola mais ou menos prevista

A Escrevo é filha da Escola Revolution (tá até no matronímico, observe: Escola Revolution) e sobrinha da Fish Films. Sendo a Fish essa maravilhosa produtora de entretenimento e a Revo a residência oficial dos amantes das artes digitais, não fica difícil perceber que está na essência dessa família trabalhar com narrativas, não é? É por isso que a Escrevo existe: para contar e ouvir histórias.

Mas a história da Escrevo não é tão reta e direta assim. Apesar de todas as pessoas envolvidas na materialização das Escolas e da produtora serem ligadas à literatura e ao cinema, dar cursos de escrita não era algo que estava dentro do nosso primeiro alcance. E não porque não somos ligados às palavras — longe disso —, mas porque para podermos oferecer os cursos de escrita como a gente queria, unindo pessoas de diferentes áreas da produção de entretenimento, a coisa toda exigia um planejamento calculado e uma preparação cuidadosa de conteúdos. Depois de dois anos de longos brainstorms, conseguimos.

Então, agora que finalmente tiramos do papel a ideia de criar uma Escola de Criação Ficcional, vamos começar não só com cursos disso que hoje em dia se convencionou chamar de escrita criativa, mas também vamos abrir mais uma das portas da casa que hoje abriga a Revo, a Fish e a Escrevo para promover um encontro. Simples: aqui, todos aqueles que querem inventar contos, romances, filmes, roteiros, séries ou jogos poderão encontrar ilustradores, designers, fotógrafos, concept artists, cinegrafistas, editores de vídeo, de som, de texto. Se é a receita perfeita para criar arte? Nós acreditamos que sim.

Quer escrever e etc.? É só abrir a porta.

Etcetera

um blog pra falar de tudo o que envolve escrita ficcional, documental e etc

Etcetera

Cinco mulheres roteiristas para você ler (e se inspirar)

R oteirista. Quando ouvimos/lemos essa palavra, mesmo que esta não indique gênero algum, há grandes chances de imaginarmos um homem de óculos redondos, sentado em frente ao computador com uma xícara de café ao lado. Pois é, infelizmente, a predominância masculina ainda é uma realidade super presente no mundo do audiovisual. E isso inclui, é [...]