ParaLerEscritoras
Para Ler Escritoras

#20 • Para Antonio, um conto de Luciany Aparecida

S ou Benta. Possuo um filhozinho de 41 anos. Aplico em minha cria meus métodos. Ele era todo errado. Errado porque nasceu. Errado porque não teve pai. Errado porque demorou de me trazer a felicidade. Errava todos os dias. Castigado todos os dias. Quando menor, abria seu olho até esbugalhar. Ele ficava muito engraçado. Queria [...]
Para Ler Escritoras

#18 • Em memória de Assionara Souza

Cecília não é um cachimbo, um conto de Assionara Souza O cachimbo é um cigarro que já vem com cinzeiro. E aqui temos três coisas: um cachimbo; um cigarro; um cinzeiro. Sendo que a primeira: o cachimbo, como se disse antes, pode reconhecer-se como uma junção da segunda: o cigarro; e da terceira: o cinzeiro. [...]
Para Ler Escritoras

#15 • Farrina, um conto de Cidinha da Silva

E ra, de longe, a mulher mais alta de quem já havia me aproximado. Estava sentada na recepção do museu de um jeito bem infantil, as pernas muito abertas e o tronco inclinado e projetado para frente, como um menino aficionado por videogame. Só mudava a postura para manusear o celular. Ali denunciava a idade, [...]
Para Ler Escritoras

#13 • 8 Poemas de Alejandra Pizarnik

Árvore de Diana Trecho da apresentação de Marília Garcia ao livro Árvore de Diana: “Lendo os diários da autora escritos neste período, podemos identificar algumas leituras que ela fazia e as preocupações com procedimentos e com os caminhos a serem tomados (“O que escrever? Para quê? Para quem? De que maneira? Quando? Como? Por quê?”.) [...]
Para Ler Escritoras

#12 • Escaleno, um conto de Luci Collin

E m F amo as expressões equilibradas, a habilidade em elaborar enredos riquíssimos para descrever pequenos acontecimentos abalando assim a estreiteza dos cotidianos, emprestando luz ao fosco ao embrutecido. E quando vejo a sua boca dizendo sobre a vida, me orgulho em pertencer àquele universo, me alegra saber que os toques daquelas mãos muitas vezes [...]
Para Ler Escritoras

#11 • Columbídeas, de Carol Rodrigues

C ontam que ela olhava um horizonte inexistente mas olhava tão longe via mesmo o Grande Santo, que ela usava sete saias cada uma de um tom dos sete tons da terra e que por baixo delas nada havia mas que cada saia ornamentava um corpo maior do que era um corpo de boneca em [...]

Pedro Collere, 55 | Vila Izabel
Curitiba – PR – CEP: 80320-320
+55 41 3077-1604
oi@escrevo.etc.br

As colagens utilizadas no site são da artista Eugenia Loli.

Pedro Collere, 55 | Vila Izabel
Curitiba – PR – CEP: 80320-320
+55 41 3077-1604
oi@escrevo.etc.br

As colagens utilizadas no site são da artista Eugenia Loli.